FAIXA POR FAIXA: CD de Harry Styles

Hey, pessoas!

Estou escrevendo excepcionalmente hoje porque neste dia, 12 de maio, foi lançado o CD solo de Harry Styles. E não é segredo para ninguém que a pessoa que vos escreve é fã da banda One Direction. Eu fiz um Faixa Por Faixa com a banda aqui e decidi fazer com o álbum de um de seus membros nessa nova fase.
Eu não o ouvi antes de escrever esse post, por isso vocês terão minhas reações inéditas escritas aqui e vou soar o mais sincera possível, ok?

 

Maaas, antes de ir para o CD, gostaria de fazer algumas observações.

 

1- Me surpreendi por Harry não lançar um CD deluxe, como a One Direction é acostumada a fazer. Mas acredito que tenha reunido ali tudo o que achou necessário ter em seu primeiro álbum e sentiu que era o suficiente.

 

2- Fique muito chateada pelos álbuns especiais como o vinil e os books não serem vendidos no Brasil. As fotos que podemos ver do conteúdo deixa, para quem é fã, uma vontade infinita de brigar com quem quer que seja necessário para trazer essas belezas para nossa terrinha. Sei que os produtos são salgados para o nosso bolso, mas só de saber que teríamos aqui nos deixa feliz, não é?!

 

 

3- Harry desde o início disse que não queria rotular nenhuma de suas músicas. Sempre gostou de deixá-las para o livre entendimento. Mas, infelizmente, muitos não compreendem isso e querem “mandar” de alguma maneira no “eu lírico” do compositor. Isso é extremamente chato e desnecessário! Ele não vai ceder a pressão só porque uns afirmam que o álbum é para Louis, Taylor, Kendall, Caroline, Tess, Serafina, ou seja lá quem mais está na vasta lista dos pensamentos dos conspiradores e dizer “Sim, você está certo, essa música é para tal pessoa”. Esqueçam! Porque esse álbum foi feito por Harry e para Harry. Ele não cometeu nenhum crime para ser “obrigado” a confessar algo. É um ótimo músico e está aí para provar o que sabe fazer, não sobre quem ele se relaciona. Ele deixou para que você nomeie para o que ou quem quiser. A decisão é sua, só não faça disso uma verdade absoluta na vida do cantor.

 

Agora, vamos ao que interessa. Vou seguir a tracklist do CD.

 

1- Meet Me in the Hallway

Desde que vi a tracklist esta era uma das músicas que estava curiosa para ouvir exatamente pelo nome. Ela me soou um pouco James Taylor. É bem intimista; diferente do que eu imaginava, mas não distante do eu pensava que Harry gravaria. Os instrumentos foram muito bem detalhados; dá quase para vê-los se você se concentrar. É como se estivessem tocando no chão do quarto. Gostei muito!

 

Just let me know I’ll be at the door, at the door

Hoping you’ll come around

Just let me know I’ll be on the floor, on the floor

Maybe we’ll work it out

Gotta get better, gotta get better

Gotta get better, gotta get better

Gotta get better, gotta get better

And maybe we’ll work it out

Apenas deixe-me saber que eu estarei na porta, na porta

Esperando que você venha por aí

Apenas deixe-me saber que eu estarei no chão, no chão

Talvez nós vamos resolver isso

Eu tenho que melhorar, tenho que melhorar

Eu tenho que melhorar, tenho que melhorar

Eu tenho que melhorar, tenho que melhorar

E talvez nós vamos resolver isso

2- Sign of the Times

Primeiro single de sua carreira solo. Simplesmente encantador e profundo! O que mais me encantou foi o significado da letra, que o próprio Harry disse em uma entrevista se tratar de uma mãe conversando com seu filho recém-nascido antes de morrer. A letra da música é maravilhosa e tocante. Os instrumentais estão fabulosos e Harry mostra ainda mais confiança em se soltar totalmente ao que nasceu para fazer.

 

Just stop your crying

Have the time of your life

Breaking through the atmosphere

Things are pretty good from here

Remember everything will be alright

We can meet again somewhere

Somewhere far away from here

Pare de chorar

Aproveite muito sua vida

Atravessando pela atmosfera

E as coisas estão bem legais daqui

Lembre-se que tudo ficará bem

Podemos nos encontrar de novo em algum lugar

Em algum lugar longe daqui

3- Carolina

Essa música me lembrou estrada, carro e vento no rosto. Não sei se foi essa a intenção, mas é uma boa pedida se ouvir enquanto se dirige. E divergindo do que muitos pensavam, a música não fala sobre alguma garota chamada Carolina, mas sim de uma garota que tem uma família em Carolina. Tem uma pegada antiga muito boa. As influências de Harry tornaram o álbum marcante.

 

She’s got a family in Carolina

So far away, but she says I remind her of home

Feeling, oh, so far from home

She never saw herself as a west coaster

Moved all the way cause her grandma told her

Towns, better swim before you drown

Ela tem uma família em Carolina

Tão longe, mas ela diz que eu a lembro de casa

Sentimento, oh, tão longe de casa

Ela nunca se viu como uma garota da costa oeste

Movendo o caminho porque sua avó disse

Cidades, melhor nadar antes de se afogar

 

4- Two Ghosts

A introdução já me encantou! A letra combinada com os instrumentos e as vozes… Maravilhosa! Soa como se a pessoa estivesse relembrando um passado que a marcou, mas que hoje em dia não se tem mais o mesmo gosto. Que mesmo estando juntos, parecem distantes demais daqueles que já foram um dia, um com o outro. Linda e triste ao mesmo tempo.

 

We’re not who we used to be

We’re not who we used to be

We’re just two ghosts standing in the place of you and me

Trying to remember

How it feels to have a heartbeat

Nós não somos quem costumávamos ser

Nós não somos quem costumávamos ser

Nós somos apenas dois fantasmas em pé no lugar de você e eu

Tentando lembrar

Como é sentir um batimento cardíaco

 

5- Sweet Creature

É aquelas músicas na qual você consegue imaginar como trilha sonora de vários momentos de sua vida. Ela fala sobre o amor em seu todo. Relacione com quem você quiser que faz com que você sinta que está em casa. Pode ser com seu amigo, sua amiga, seus irmãos, seus bichos de estimação… Por que não? Tudo é amor. E se é amor, você está em casa.

 

No, we started

Two hearts in one home

It’s hard when we argue

We’re both stubborn, I know

Não, nós começamos

Dois corações em um lar

É difícil quando discutimos

Nós dois somos teimosos, eu sei

 

6- Only Angel

Já na introdução, pensei: “WOOOW!”. É como se você estivesse em um sonho, ouvindo anjos ao seu redor… Mas é só a introdução da música. Depois disso um rock a la Rolling Stones começa e sua cabeça balança por instinto. É muito, muito boa! E a ousadia de Styles ficou explícita em cada linha, em cada acorde. O que eu entendi dessa música foi “Nem tudo o que parece, é!”. O “O-Oh” me soou como um “Ah, tá? Se iluda que ela é um anjo”. Parece que ela é o inferno, no melhor significado que a palavra pode ter!

 

Told it to her brother and she told it to me

That she’s gonna be angel, just you wait and see

When it turns out she’s a devil in between the sheets

And there’s nothing she can do about it

Disse ao seu irmão e ela disse-me

Que ela vai ser anjo, só você esperar e ver

Quando acontece que ela é um diabo entre os lençóis

E não há nada que ela possa fazer sobre isso

 

7- Kiwi

É uma músicas que me deu um choque e disse: “EITA PREULA!”. É bem rock mesmo. Não me fez lembrar de nada que já tenha ouvido antes e gostei das construções vocais que Harry fez com sua banda. A propósito, a banda está de parabéns por todos os arranjos!
Procurei saber se Kiwi é alguma gíria gringa, mas não encontrei. Pensei que independe do que Harry quis dizer, já está explícito na letra da música que não é da minha conta.
Em contexto geral, essa música me lembra noites de Nova York (apesar de nunca ter isso pra lá) regada a bebida, diversão e muita pegação.

 

Driving me crazy

But I’m into it, but I’m into it

I’m kind of into it

It’s getting crazy

I think I’m losing it, I think I’m losing it

I think she said

I’m having your baby

It’s none of your business

Deixando-me louco

Mas eu estou nisso, mas eu estou nele

Eu sou meio que isso

Está ficando louco

Acho que estou perdendo, acho que estou perdendo

Acho que ela disse

Estou tendo seu bebê

Não é da sua conta

 

8- Ever Since New York

Desde que Harry a mostrou no programa Saturday Night Live eu a ouvia sempre e imaginava como seria em sua versão de estúdio. Amei a versão ao vivo de todo coração… E a versão estúdio não me decepcionou! Apesar da voz de Harry estar mais mansa do que ele canta ao vivo, é a mesma emoção que senti da primeira vez e continua sendo a minha favorita do álbum até agora. É uma música simples, mas que parece uma prece.

 

Tell me something, tell me something

You don’t know nothing, just pretend you do

I need something, so tell me something new

Choose your words ‘cause there’s no antidote

For this curse or what’s in waiting for

Must desert you just before you go

Diga-me uma coisa, me diga uma coisa

Você não sabe nada, apenas finge que sabe

Eu preciso de algo, então me diga algo novo

Escolha bem suas palavras porque não há nenhum antídoto

Para esta maldição ou o que ganhamos esperando

Devo abandonar você antes de ir

 

9- Woman

Essa me soou como se ele fantasiasse ou estivesse mesmo se relacionando com alguma atriz e se sentisse decepcionado por vê-la nos braços de outro em determinadas cenas, tendo que assistir tudo calado e com muito ciúme. É muito boa, mas devo confessar que ri com o efeito que parece um pato grasnando.

 

I’m selfish, I know

I don’t ever want to see you with him

I’m selfish, I know

I told you, but I know you never listen

Eu sou egoísta, eu sei

Eu nunca quero te ver com ele

Eu sou egoísta, eu sei

Eu te disse, mas eu sei que você nunca ouve

 

10- From the Dining Table

É a canção mais simples de todo álbum. A impressão é que Styles estava sozinho, tocando seu violão para ninguém em especial. A letra da música fala sobre a falta que sente de alguém e do quanto espera que ela volte. Algumas coisas ficam subentendidas na letra; vai de sua imaginação perceber.

 

Woke up alone in this hotel room

Played with myself, where were you?

Fell back to sleep, I got drunk by noon

I’ve never felt less cool

Acordei sozinho neste quarto de hotel

Brinquei comigo mesmo, onde você estava?

Voltei a dormir, fiquei bêbado ao meio-dia

Nunca me senti menos descolado

 

Em resumo.

Se você espera encontrar aqui algo que pareça o Pop que a One Direction é acostumada a fazer, sinto muito! Harry misturou o intimismo com o Rock e resultou em músicas encorpadas com alguns refrões repetitivos, mas bem montados e nada enjoativos. O álbum é maduro e mostra realmente o quanto Harry cresceu como homem e como músico. Para quem é fã este álbum é motivo de muito orgulho.

 

O preço está entre R$ 32,00 e R$ 50,00. Você pode encontrá-lo a venda na Saraiva.

 

Espero que tenham gostado.

 

Beijos e até mais!

 

:*

Categorias: Música | Tags: , , , | Deixe um comentário

Resenha: A Coroa – Kiera Cass – Editora Seguinte

a coroa - seleção 5

Olá, pessoas!

Estou aqui para falar sobre o último livro da série A Seleção: A Coroa. Como já sabem, escrito por Kiera Cass e publicado no Brasil pela Editora Seguinte.
Sim, eu finalizei a série. E minhas reações foram as seguintes:

Sim. Exatamente assim.

Minha semana foi corrida, por isso não tive tempo de abrir uma página sequer. Mas no sábado peguei-o novamente para reiniciar a leitura, pausada na metade do livro. Resultado: Iniciei a leitura às 21h30 e terminei às 4h da manhã.

Se passou pela sua cabeça que sou lerda para ler, a resposta é um grandíssimo SIM… Porque eu sempre acabo voltando algumas partes para fixá-las bem, anotar e etc. Manias, né? Fazer o quê?! ¯\_(ツ)_/¯

Quero abrir um parêntese antes de continuar e dizer a Kiera que ela me deve uma caixa de lenços de papel. Obrigada!

Eu não sei se vou conseguir falar sobre esse livro sem dar spoiler… Acredito fielmente que não. Por isso peço com muito carinho que, caso não goste de spoiles, pule esse post. Não vou aguentar. Preciso descrever o que estou sentindo verdadeiramente.

Eadlyn estava praticamente no meio de sua Seleção quando seu irmão gêmeo, Ahren, fugiu para se casar com a princesa da França e sua mãe, não suportando mais este peso, enfartou. Confesso que nessa hora me bateu desespero ao ler a reação de Maxon e o estado da nossa rainha. O medo que ela não resistisse estava estampado na primeira página de A Coroa. E a partir desse momento vemos a princesa se transformar, amadurecendo sua postura e sua consciência. Na verdade Eadlyn sempre foi assim; apenas escondia isso de si mesma e dos outros.

Ao reduzir seus pretendentes a Elite, devido ao acontecimento com a mãe, a sobrecarga que teria por ter que governar no lugar do pai por tempo indeterminado, já que este não conseguia sair do lado de sua amada, a então princesa se mostrou mais aberta em todos os sentidos, mesmo temendo abrir seu coração. Ainda tinha o medo de que o país não a aceitasse como princesa regente, já que antes de fugir para França, seu irmão escreveu uma carta falando sobre o alto índice de rejeição dela para com o povo.
Entre os membros da Elite estavam Gunner, Kile, Ean, Hale, Fox e Henri. Gunner acaba saindo rapidamente por decisão própria depois de perceber que ele e a princesa não têm nenhuma química.
No meio de tantas questões e tentando dar conta do que aparecesse, eis que surge um “amigo” antigo de sua família: Marid Illéa. Na verdade esse ser só apareceu pra colocar fogo no parquinho, já que não perdia a oportunidade de deixar subentendido para a imprensa que Eadlyn e ele tinham um romance… Isso com ela no meio desse turbilhão todo de coisas. Ô cara sem noção, né?!

Mas enfim, voltando pra Elite.

Kile e Eadlyn, em um de seus momentos, confessaram um ao outro que se gostavam, mas não estavam apaixonados. Muita gente deve ter se perguntado “W H A T ?”. Mas, sim, galere, é possível gostar e não estar apaixonado. Acredito que os dois tenham visto neste momento que tem um carinho grande um pelo outro, mas que não chega a ser um amor carnal. Isso me deixou balançada, confesso, porque Kile era minha primeira opção para Eadlyn. But…

Depois que America começou a se recuperar Eadlyn teve uma conversa franca com seu pai, que acabou confessando que não tinha momentos de marido e mulher com sua esposa e o quanto as obrigações com a Coroa os consumia. A princesa sugeriu a seu pai que a nomeasse rainha, para que assim eles possam curtir o seu casamento um pouco mais. Maxon aceitou, emocionado com a proposta da filha e anunciou assim que pode no Jornal de Illéa a coroação.

A partir daí Marid intensifica as aparições e as indiretas para os meios de comunicação, o que fez a ficha de Eadlyn cair e reconhecer que o cara só a estava ajudando porque queria A Coroa de qualquer jeito. Decepcionante!

Como eu já havia dito antes, Kile era minha primeira opção. Maaaas como eles tinham dito que se gostavam, porém não ao ponto de chamar de ‘amor’ e mais alguns detalhes que você lendo o livro vai perceber ou percebeu, deixei esse OTP de lado e comecei a torcer para Hale… E descubro que ele é gay.

Siiiiim!

Gay! Hale é gay! E mais: Que estava apaixonado por Ean e era correspondido! CHUPA ESSA MANGA!

Gente, sério! Se eu tivesse filmando minha reação quando li isso, vocês iam rir. Porque, olha… Foi chocante. Eu não esperava! Acho que ninguém esperava! Eu reli essa parte umas cinco vezes até cair na real. Foi realmente chocante! Eadlyn também ficou chocada em saber que dois dos seus pretendentes se apaixonaram. E o que eu tirei o chapéu para ela foi como os tratou e os dispensou do palácio com descrição e com a torcida de que eles fossem felizes, apesar do que enfrentariam para ficar juntos, já que isso não era bem visto em seu país.

Outra coisa que quero falar é sobre o sentimento que surgiu entre Eadlyn e Eikko/Erik, tradutor de Henri. Muitos não gostaram disso, mas, posso ser sincera? Eu amei! Amei porque foi pertinente. Pelas conversas que eles tiveram, pelo modo que ela o percebia mesmo que nenhuma outra pessoa ligasse pra ele. Ele não era para ser visto… E foi amado. O momento em que ela confessa seu amor e pergunta se é recíproco eu me derreti toda, gente!

Mas sabendo que era um amor impossível e sentindo que tinha que seguir em frente com a Seleção, a princesa trancou o que sentia no fundo do seu coração, vivendo apenas momentos roubados, porém lindos, com Erik.

Vendo o cerco que Marid tinha montado para obter a coroa se fechar, Eadlyn decide apressar a Seleção e deixar apenas Kile e Henri para que sua decisão fosse tomada. Ao conversar definitivamente com Kile, a garota percebe o quanto faria mal a ele o prendendo no palácio. Kile queria ser arquiteto e construir casas para os necessitados em qualquer lugar que precisassem. Sendo príncipe consorte não poderia se afastar de sua rainha… E Eadlyn não queria matar os sonhos de uma pessoa que tanto queria bem. Achei muito nobre a atitude dela.
Tendo apenas Henri como opção, começou a pensar que mesmo com seus problemas de comunicação seria bom estar com uma pessoa tão otimista e bondosa. O que ela não sabia era que Henri é observador. Quando ia anunciar seu casamento com o estrangeiro, este percebeu o amor que havia entre seu amigo tradutor e a rainha sem precisar de intérprete. Henri com certeza está na minha listinha de pessoa mais fofa que já conheci em livros.

Não vou dizer o que mais aconteceu para esse post não ficar ainda mais extenso. Mas vale a pena demais ler o livro! Ou melhor, OS LIVROS!

Mesmo falando tanto, não poderia deixar de destacar minha seleção de frases favoritas.

 

“Nada te deixa mais consciente da presença de uma pessoa do que a falta dela”

“- Isso é um dente-de-leão. – disse a ele
Ele disse.
– Eu sei. Alguns vêem uma erva-daninha, outros vêem uma flor. É uma questão de perspectiva”

“A imagem que você tem de todas as pessoas provavelmente não corresponde à realidade em algum aspecto”

“… Por que alguém deixaria de cuidar da própria vida para piorar a dos outros?”

“-… Mas também sei que uma vida curta e honesta é melhor do que uma vida longa e mentirosa.”

“Às vezes as coisas simplesmente acontecem.”

“Talvez os beijos especiais não sejam os primeiros. Talvez sejam os últimos.”

“- Confie no seu coração.
– Eu tenho pavor do meu coração.”

“O mundo parecia ter despertado quando olhei para ele.”

“Você é sempre apenas Eadlyn. E é sempre a rainha… É tudo para todos. E infinitamente mais para mim.”

 

É isso, pessoal. Espero que tenha gostado da minha mega resenha.

Beijos e até o próximo livro!

:*

Categorias: Livros | Tags: , , , | Deixe um comentário

Resenha: A Herdeira – Kiera Cass – Editora Seguinte

Olá, pessoas!

Mais uma resenha para vocês: A Herdeira; quarto livro de A Seleção escrito por Kiera Cass e publicado aqui no Brasil pela Editora Seguinte.

É claro que quem acompanhou a história de America e Maxon ficou curioso para saber como se desenrolou os anos, se tiveram filhos e etc. Pois Kiera realizou o desejo dos fãs e prolongou o que, de início, seria uma trilogia.

Eadlyn é a filha mais velha dos quatro rebentos da monarquia… Mais velha por sete minutos. Porém, esse pouco tempo já determinou toda sua vida: Ela seria a próxima na linha de sucessão; rainha de Illéa. E foi dessa maneira instruída desde sempre. Cresceu sabendo da responsabilidade que teria em suas mãos e isso a fez construir um muro ao redor de seus sentimentos muito maior do que os muros do castelo em que vive. Pelo menos foi isso que eu percebi.

O país estava mais calmo do que na época do rei Clarkson. Mas algumas rebeliões estavam acontecendo há algum tempo e tomando proporções maiores do que deviam; a monarquia não estava mais sendo bem aceita pela população. O rei Maxon estava preocupado com as atitudes de seus súditos e tentava, juntamente com sua amada America e seus conselheiros, ter alguma boa ideia para acalmar a população. Enquanto essa ideia não vinha, pensaram em um meio para entretê-los… Uma nova Seleção, agora, com sua primogênita. Isso nunca passara pela cabeça de Eadlyn, que até então não acreditava muito no poder do amor e no que ele poderia lhe trazer de bom. O interpretava como uma prisão, e foi mais ou menos como entendeu o pedido de seu pai para que fizesse a sua Seleção. Se vendo de mãos e pés atados, aceitou em partes a proposta. Em seu íntimo planejava fazer os garotos correrem do palácio, a temendo. Mas ela mal sabia que o amor em suas várias faces trama suas próprias armadilhas.

Seleção de frases:

“Tenho dezoito anos. Meus genes são programados para brigar com meus pais.”

“Não sei ao certo se acredito em destino. Mas posso dizer que às vezes aquilo que você mais deseja vai cruzar sua porta determinado a te evitar a qualquer custo. E, ainda assim, de algum jeito, você descobre que é suficiente para fazê-lo ficar.”

“Há coisas sobre nós mesmos que só aprendemos quando deixamos alguém se aproximar de verdade.”

“Você precisa viver um romance pelo menos uma vez na vida.”

“Acho que você confunde conforto com felicidade.”

“Não sei se alguém sabe o que procura até encontrar.”

“-… Acham que a vida deles está em nossas mãos, mas não está.
– Está nas mãos deles próprios.”

 

Encontrei alguns errinhos de português no meio da leitura, mas nada que comprometa tanto.

O que direi a partir daqui é a maneira como vi a história, ok?

 

Não posso negar que, em alguns momentos, as falas arrogantes da princesa me lembraram a Celeste. E também algumas maneiras de tratar Neema, sua criada. Totalmente sem noção e desnecessária.
Construí uma relação de simpatia e antipatia com a princesa de nome que eu até agora não consigo pronunciar e nem decorar, desculpem.

Ela tem muitas qualidades, mas quando determina ser fria e dura com os outros, incluindo seus pais, me dá certa raiva. Depois a compreendi, de certa forma. É difícil expressar o que se sente; é difícil se mostrar as outras pessoas, e não digo fisicamente. Ouso dizer que fisicamente é até mais fácil do que mostrar o que temos em nosso coração, o que sentimos.

E essa mistura de sentimentos me deixou ainda mais curiosa para ser o que vai acontecer nessa nova Seleção.

Minha resenha não foi tão longa hoje, mas espero que tenham gostado.

Beijos, até a próxima! :*

Categorias: Livros | Tags: , , , , | 2 Comentários

Resenha: Felizes Para Sempre – Kiera Cass – Editora Seguinte

E aí, galere!

Voltei para falar de Felizes para Sempre, coletânea dos contos de A Seleção, escrito por Kiera Cass e publicado pela Editora Seguinte. Estes contos foram muito bons para entender diversos lados da história e cessar um pouco dos nossos questionamentos. Mas não imaginava que minha resenha ia dar quase um livro. Tentei resumir o máximo, mas me empolguei. Tenham paciência e não desistam de mim, por favor!

Vou seguir o livro para fazer meus comentários, ok?

 

A Rainha

Aqui vemos a rainha Amberly por outra perspectiva, a de Selecionada. Me encantei ainda mais por ela, por seu jeito meigo e por seus bons olhos. Amberly era apaixonada pelo, então, príncipe desde que se entendia por gente. Se preocupava em ser boa para merecer o amor de Clarkson. Parecia frágil e tinha a saúde debilitada, mas se percebia que era muito forte; mais forte do que pensava ser. Foi o conto que mais me emocionou e me levou literalmente às lágrimas, por motivos de ser tão bem detalhado e, também, por motivos pessoais.

“— Então é isso? Serei como ele, minha esposa como ela, e acabaremos por desmoronar? Levantei o braço e toquei seu rosto novamente. Ele não se contraiu dessa vez. Em vez disso, inclinou-se para mais perto. Embora seus olhos ainda estivessem repletos de preocupação, o gesto pareceu acalmá-lo de verdade.

— Não. Você não precisa ser nada que não quiser. Gosta de ordem? Então planeje, prepare. Imagine o rei, o marido e o pai que quer ser e faça tudo o que for necessário para chegar lá.

Ele me encarou, quase com pena.

— Chega a ser bonito você achar que isso basta.”

 “Ser incapaz de produzir um herdeiro valioso para o trono era algo hipotético, uma possibilidade distante. Mas ser incapaz de produzir um Quatro sequer? Era muito para suportar.”

“—… Agora, se você fosse pedir o mínimo da vida, o que pediria?

— O mínimo? Por que alguém iria querer o mínimo? — ela brincou, sem compreender.

— Mas não deveria haver um mínimo? Não deveria haver um mínimo aceitável que a vida nos desse? É demais pedir um emprego que você não odeie, ou alguém para chamar de seu de verdade? É demais pedir um filho? Mesmo um filho que alguns consideram defeituoso? Será que eu não poderia ter ao menos isso?”

“É estranho descobrir o quanto você é importante para pessoas que não sabia que se importavam tanto.”

“Seu mundo parecia um furacão. Eu seria o seu centro.”

“— Estou desesperado por tranquilidade. Acho que você é a minha única chance de obtê-la.

Abri um sorriso.

— O centro do seu furacão?

Ele soltou o ar, aparentemente aliviado.

— Sim.

— Eu ficaria feliz em ser isso para você”

 

“— Você será a única coisa no mundo realmente minha. E vou colocá-la em um pedestal tão alto que será impossível alguém não te adorar.”

 

O Príncipe

Maxon é o típico príncipe que você suspira e pensa “Por que um desses não aparece na minha vida, meu Deus?!”

Ele é bondoso, amoroso, inteligente e charmoso. Maaaas também tinha seus momentos de turbulência, o que nos faz questionar sobre o quanto de bom ou ruim tem dentro de si.

Porém, como a própria autora disse, ele é o personagem mais disposto a compartilhar o que sente.

Já tínhamos visto a dureza da relação do rei Clarkson com seu filho no primeiro livro, mas neste conto ficou ainda mais explícito. Maxon aguentou muitas coisas e sua mãe também para manter a pose entre os seus súditos.

 

“— E se eu não gostar de nenhuma?

— Então escolha a que odiar menos. De preferência, alguma que seja útil. Não se preocupe quanto a isso. Vou ajudá-lo.

Se a intenção dele era me tranquilizar, não deu certo.”

“Aquelas garotas seriam minhas, a única coisa no mundo que poderia me dar essa sensação. Mas elas não eram.”

“Mas, agora, eu poderia compartilhar meu mundo com outra pessoa, e seria a melhor experiência de todas, porque… porque essa pessoa seria minha. E eu seria dela. Estaríamos sempre juntos. Ela seria para mim o que minha mãe é para meu pai: seu porto seguro, a calma que o mantém com os pés no chão. E eu poderia ser seu guia, seu protetor.”

“Algo em seus olhos revelava certa malícia, proposital ou não. Pensei no seu comportamento na noite anterior e percebi que ela era uma revolução ambulante.”

“— Você chamou todas de “minha querida”? — perguntou apontando para o resto das garotas com a cabeça.

— Sim, e todas parecem ter gostado — respondi com ar alegre e orgulhoso.

O desafio ainda estava presente em seu sorriso quando ela falou:

— É exatamente por isso que eu não gostei.”

 “Ela não parecia ter nenhum ar de realeza, embora talvez houvesse algo de nobre em seu orgulho. E, claro, ela não nutria qualquer desejo por mim. Ainda assim, não conseguia me livrar do impulso de ir atrás dela.”

“Havia algo nela… Mesmo seu jeito de não gostar de mim era atraente. Não pude evitar um sorriso.”

“- Depois eu – ela adisse ao nos aproximarmos da escada. Fiquei radiante.
– America Singer, minha melhor amiga.
Ela fez uma careta brincalhona e seus olhos azuis brilharam sob a luz.
– Isso mesmo.
Senti um estranho conforto ao ouvir essas palavras.”

 

O Guarda

Confesso que tive uma relação de amor e ódio com Apsen. Gato demais, porém muito trouxa ao deixar America como deixou para depois correr atrás dela no meio da Seleção.

Porém, o conto me ajudou a entender um pouco do que se passava em sua cabeça (além de ser o que mais grifei citações). Acredito que se ele não tivesse feito o que fez na casa da árvore, ficariam juntos… Mas não teríamos nossa história, né?

Por isso preciso, na verdade, o agradecer por sua ação e ter nos dado esse presente. Vocês podem não ver com os mesmos olhos que eu, mas é no que eu acredito: Sem o cabeça-dura de Apsen não existiria a série A Seleção.

Então, muito obrigada, Apsen! ❤

 

“Como eu iria encarar aquela situação? Como poderia ficar lá e protegê-los? Ele daria a ela uma aliança que eu jamais poderia comprar, uma vida que eu jamais poderia oferecer… e eu o odiaria até meu último suspiro por isso.”

“O único motivo que o levaria a arriscar ser pego era o mesmo que me levara a fazer exatamente a mesma coisa: ele devia amar Marlee desesperadamente.”

“— Você tem certeza de que quer ver isso? — cochichei para ela. — Vai ser horrível.

— Eu sei. Mas gostava muito da senhorita Marlee — ela respondeu, também baixinho. — Sinto obrigação de ficar aqui.

— Ela já não é uma senhorita — comentei, certo de que ela seria jogada na casta mais baixa possível.

Lucy pensou por um instante.

— Qualquer garota que arrisca a vida por alguém que ama com certeza merece ser chamada de senhorita.

— Você tem razão — eu disse, sorrindo. Observei enquanto as mãos de Lucy se acalmavam e, por uma fração de segundo, um sorriso se abriu em seu rosto.”

“Fazer as pessoas sofrerem é uma arte — e o palácio parecia tê-la dominado.”

“— Você o conhecia?

Fiz uma pausa antes de responder; não sabia se estava a fim de falar.

— Não muito. Mas tínhamos bastante em comum. Não consigo acreditar no que aconteceu. Não acredito que ele perdeu tudo.

— Ah, tudo não significa nada quando se ama alguém. Especialmente na juventude.”

“— É normal ficar irritado, mas isso não vai levá-lo a lugar nenhum. Você precisa pensar no que pode aprender com tudo isso. Até agora, parece que só aprendeu a bater em algo que não pode reagir.

Errei o golpe.

— Olha, sei que você quer ajudar, mas estou trabalhando aqui.

— Não vai funcionar. É um monte de raiva desperdiçada.

— Bom, e onde você quer que eu descarregue a raiva? No pescoço do rei? No do príncipe Maxon? No seu? — Acertei um golpe. — Porque isso não está certo. Eles se safam de tudo.

— Quem?

— Eles. Os Um. Os Dois.

— Você é Dois.

Larguei o machado.

— Sou Seis! — bradei, batendo no peito. — Não importa o uniforme com que me vistam, por dentro ainda sou um moleque de Carolina. E isso nunca vai mudar.

Ele balançou a cabeça e puxou o cabresto do cavalo.

— Parece que você precisa de uma namorada.

— Eu tenho namorada! — rebati enquanto ele se afastava.

— Então se abra com ela. Você está cerrando os punhos para a luta errada.”

“Nem sempre me sentia intimidado pelo rei, mas entre aquelas paredes, podia testemunhá-lo mudando milhares de vidas num estalar de dedos.”

“Se America não seria minha, então ele deveria tratá-la como uma princesa! Até então, Maxon falhara catastroficamente.”

“Claro que um homem que tinha tudo o que poderia querer ou precisar não entendia por que uma pessoa comum gostaria de ter as mesmas oportunidades.”

“America tinha muitas qualidades, mas a discrição não era uma delas.”

“Finalmente ela chegou até mim, e o mundo inteiro ficou melhor no segundo em que toquei sua pele.”

“Eu queria mantê-la em meus braços, tão próxima do meu coração que ela seria praticamente parte dele.”

“— As coisas são assim. O céu é azul, o sol é quente, e Aspen ama America para sempre. O mundo foi feito para ser assim.”

“-… É que já vi muitas pessoas deixarem o mal ao seu redor torná-las duras ou teimosas. No fim das contas, perdem a chance de tornar o mundo um lugar melhor porque só conseguem enxergar o pior…”

“Queria dar o mundo a ela, mas tudo o que tinha no momento eram as roupas do corpo.”

“Sim, ainda havia um longo caminho a percorrer, mas sabia que passaria rápido se o percorrêssemos juntos.”

“— Bom, vocês também são senhoritas muito simpáticas. Sempre fico feliz em vê-las.

— Não somos senhoritas — ela respondeu, baixando o olhar.

Discordei:

— Se Marlee ainda é uma senhorita por ter se sacrificado por alguém que amava, então vocês com certeza também são. Na minha opinião, vocês se sacrificam todos os dias. Cedem seu tempo e sua energia aos outros, o que é exatamente a mesma coisa.”

“— Posso tomar conta de mim mesmo — concluí.

— Sabemos que você é forte — Lucy disse, inclinando a cabeça para o lado — Mas aceitar ajuda também é um tipo de força.”

“Eu estava em busca das coisas boas. E ela era a única coisa boa em mim.”

“— Penso que nenhuma das outras garotas correria mais rápido do que eles.

America suspirou, aliviada, e sorriu.

— Nenhuma das outras é uma Cinco.

Comecei a rir, assim como os outros. Nem toda experiência nas castas inferiores era inútil.”

 

A Favorita

Marlee. Essa personagem é, fisicamente, totalmente diferente do que eu imagino. E não sei explicar o porquê. Mas o temperamento é o mesmo. Uma pessoa alegre, bondosa e otimista. Realmente A Favorita.

A vejo como o lado bom das pessoas… O lado bom que, no fundo dos meus pensamentos, é o que desejo ter. Sua história de amor com Carter pode ter acontecido de forma rápida, mas foi intensa, como é o sentimento.

É fácil julgá-la quando se é uma terceira pessoa. Mas se você já passou por algo parecido ou se consegue por um momento se imaginar na situação, vai compreender Marlee por inteiro.

 

“Mesmo naquele momento, sozinha na cela, tudo o que eu queria era que a dor dele acabasse.”

“Antes de ser uma Selecionada, eu me achava divertida, bonita e inteligente. Mas agora que estava no meio de um bando de garotas cuja missão diária era impressionar um garoto em particular, me sentia apagada, chata e pequena.”

“- Está tudo bem?
– Sim. Nada ferido além do orgulho.”

“Um pouco antes de as portas se fecharem, ele piscou pra mim e abriu um sorriso, e eu fiquei lá, rindo sozinha como uma idiota.”

“- Estou começando a entender como é inútil lutar contra uma paixão. Jamais culparia você por isso.”

“Queria agir como uma dama nessa situação, aceitar o castigo com nobreza. Mas parecia tão injusto. Era como se estivessem me tirando todas as coisas antes mesmo de elas serem minhas de verdade.”

“- Quando acho que estou começando a entender um pouco o que significa amar, vejo vocês dois, um pedindo para que o outro seja poupado. Então me pergunto se realmente entendo alguma coisa.”

“O sorriso dele era tão terno, e fazia tempo que eu não ficava tão à vontade com alguém.”

“Eu tinha encontrado minha alma gêmea. Eu sabia disso. E havia muito amor no meu coração para que sobrasse espaço para o arrependimento.”

“A dor era temporária, mas eu teria Carter para sempre. Meu amor, para sempre.”

“Não que um dia fosse me gabar de ser açoitada por amor, mas me dei conta de que algumas pessoas jamais saberiam como é especial ter alguém. Eu sabia. Eu tinha minha alma gêmea. E faria qualquer coisa por ele.”

“- Não deveria doer tanto.

– Não, não deveria.”

“- Perdi essa guerra. Sem chance de retirada agora.”

“Viver com ou sem o amor dele: para mim, as duas opções significavam flertar com a morte.”

“Levantei o olhar para ele e pensei eu, se pudesse escolher um marido para minha melhor amiga, seria ele.”

“- Você não me roubou. Não sou uma chaleira.

– Humm – ele ficou pensando. – Talvez você é que tenha me roubado. Porque me lembro com clareza que um dia pertenci a mim mesmo, mas agora sou todo seu.”

“- Parecia uma boa ideia – foi o que respondeu.

Inclinei a cabeça para o lado.

– America, sua cabeça está cheia de más ideias. Ótimas intenções, péssimas ideias.”

“- E você vai precisar de alguém para te impedir de passar dos limites – provoquei.

– Você esta de brincadeira? Preciso de um exército inteiro para me impedir de passar dos limites.”

 

Cenas de Celeste

Achei muito legal ter essa visão de Celeste sobre A Seleção. Mas me entristece lembrar seu desfecho. Não vou entrar em detalhes porque não sei se você já leu os três primeiros livros ou se está garimpando para saber como a série é antes de lhe dar uma chance. Se já leu, está entendendo com certeza o meu pesar. Se não leu, deve estar com uma ponta de curiosidade para saber. E não é ótimo querer saná-la?! 😉

 

“A sorte ia bem, obrigada, mas eu não precisava dela. Eu tinha um plano.”

“O trabalho que dava ser desse jeito o dia inteiro, todos os dias, era insustentável.”

“Quantas palavras doces seriam necessárias para tirá-lo daquele corredor e levá-lo para meu quarto?”

“- Mas eu nunca deixei você nervosa. Nem no começo.
Abri um sorriso.

– Não sou do tipo que se intimida fácil.”

“-… Não sei se sou capaz de amar alguém, não do jeito que você a ama.

Mesmo sem mencionar o nome de America, pude enxergar como o brilho de seus olhos mudou ao pensar nela.

– Acho que você é capaz – ele disse. – Talvez não agora – ele admitiu, com um olhar que me fez rir. – E você nem precisa começar a amar já. Ame a si mesma um pouco mais, até não aguentar mais a vida sem amar alguém.”

“Pela primeira vez, não me preocupei em parecer bonita ou não. Me sentia linda.”

 

A Criada

Lucy sempre teve meu carinho desde o início. É aquele tipo de pessoa que você deseja proteger de todo o mal. E suspeitava qual seria o seu desfecho… Mesmo sem premeditar o que aconteceria com suas companheiras, Anne e Mary.

Fico feliz pelo rumo que a história tomou para ela.

 

“- Você tem razão. E é por isso eu precisava saber: não importa por quanto eu tenha desejado que desse certo, aquele relacionamento não ia durar. Ele nunca viu a luz do dia.

– Nem o nosso.”

“Eu deveria ser grata. Mas eu estava cansada de agradecer por uma vida vivida pela metade.”

“- Como? Como salvei você?

Dei de ombro.

– Simplesmente por existir.”

“- … Você acha que anda, Lucy? Pois eu acho que você voa. Você se vê de uniforme? Eu vejo você numa capa. Você é uma heroína, uma heroína da natureza mais discreta e autêntica.”

 

O pequeno conto “Depois de A Escolha” foi um bônus muito bem vindo, obrigada!

Adorei ver o carinho de Maxon e America e como os dois mantinham suas amizades com Carter, Marlee, Aspen e Lucy. Neste conto não vou entrar em detalhes porque quero que vocês curtam a sensação… Que acredito ser ótima. Mas preciso citar aqui uma frase de Maxon que me derreteu toda.

 

“- Não é extraordinário? De repente, amo você cem vezes mais.”

Esse Maxon… Ai, ai, ai!

 

Há também mais um bônus neste livro com o título “Por Onde Elas Andam?” que conta o que aconteceu com as garotas da Elite. Mas não vou entrar em detalhes por aqui, desculpem.

 

O post ficou maior do que imaginei, mas espero que tenham gostado.

E não se esqueçam que depois desde regalinho da Kiera para nós ainda tem mais dois livros sobre a série.

O que nos aguarda? Vou conferir já, já!

Beijos :*

Categorias: Livros | Tags: , , , , | Deixe um comentário

Resenha: A Escolha – Kiera Cass – Editora Seguinte

Olá, pessoas!

Estou aqui mais uma vez para falar sobre a série A Seleção, mais especificamente sobre o terceiro livro da série (que descobri que era pra ser uma trilogia, mas beleza) A Escolha, lançado pela Editora Seguinte.

Conversando com minha amiga que é fã de lencinho (para aqueles que se emocionam com histórias) dessa série e procurando pela internet, descobri que irá virar filme. E perguntei se seria demais desejar que Phil Collins, um dos cantores e compositores que mais admiro no meio, seja O Cara para tomar conta da trilha sonora. Seria incrível! Por favor Warner Bros, tenha essa ideia também!!!

                        Ele também quer! Olha aí!

Voltando ao foco!

Nesta continuação, America segue com seus conflitos sobre Aspen, Maxon e o título de princesa. O rei se mostra descontente com a permanência da garota na Elite e pressiona o filho para que a descarte o mais rápido possível. Mas mesmo um pouco distante do príncipe, America percebe que algo sempre faz com que tenham que se reaproximar de alguma maneira.

Segredos os distanciam e os unem. As descobertas sobre seus próprios sentimentos os assuntam, mas os impulsionam a prosseguir. Alguns acontecimentos os marcarão para o resto de suas vidas, mas abrirão seus olhos para si mesmos e para o mundo ao seu redor.

Kiera Cass conseguiu me emocionar nos três livros até agora. Mas este foi especial. Não vou dar spoiler, mas preciso dizer que em uma determinada parte tive que fechar o livro e esperar um tempinho até parar de chorar. Foi realmente tocante para mim. Por isso, já te dou um toque, colegue: Se você for meio emo como eu, fique com um lencinho do lado, pois a coisa é bem profunda mesmo!

Minha seleção de frases e diálogos:

“- Você está vulgar.
– E você está com inveja.”

“-Vamos ser claros: ninguém concorda com você
– Vamos ser claros: eu não ligo”

“- Seus olhos parecem chocolate – balbuciei.
Ele sorriu.
– E os seus parecem o céu da manhã.”

“Não se preocupe. As melhores pessoas sempre carregam alguma cicatriz.”

“A coragem podia mesmo se esconder em lugares incríveis.”

 

Vou correndo para os contos agora mesmo, haha!

Bjão!

 

Categorias: Livros | Tags: , , , , | Deixe um comentário

Resenha: A Elite – Kiera Cass – Editora Seguinte

Olá!

Como disse no post anterior, comecei a saga/série A Seleção de Kiera Cass (Editora Seguinte) e viciei. Como não tenho os outros livros, peguei emprestado de uma amiga (Thaís, muito obrigada mesmo! Estão sendo bem cuidados! ❤). Confesso que a vontade de comprá-los é enorme, mas fiz um acordo comigo mesma (e com minha mãe também) de não comprar mais nenhum livro até ler todos os que acumulei nas compras em Black Friday e Bienal do Livro. Confesso que está sendo bem difícil porque recebo notificações de promoções e as mãos coçam pra comprar. Mas, preciso ser forte! Me desejem força, por favor!

Continuando.

Terminado o primeiro livro da saga, passei para A Elite.
Este segundo livro conta como anda o processo de Seleção para escolha da nova princesa de Illéa. Com as eliminações, restaram seis candidatas. America se sente dividida entre o que ainda sente por Aspen, o que sente por Maxon e o que lhe acarretará se for escolhida como princesa. O medo da responsabilidade lhe atormenta profundamente, já que não concorda com muitas coisas que acontecem em seu país. Isso e mais a leitura de um dos diários do rei Gregory a faz questionar o quanto as coisas em seu país são feitas realmente para o bem de todos ou para apenas para a parte mais nobre e de posses. Seus conflitos de sentimentos atingem a relação que estava nascendo entre ela e o príncipe, que acaba por se afastar, dedicando mais momentos as outras candidatas. Entre tantos acontecimentos, America começa a desconfiar das intenções de Maxon e sente como o amor pode doer quando há tantas interrogações pelo ar.

Devo confessar que esse livro me emocionou também (como o primeiro), mas também tive meus conflitos. Em muitos momentos fiquei confusa com America, Aspen, Maxon e as candidatas… E ainda estou. É como uma dança das cadeiras, mas não sei ao certo quais as estratégias de cada um para conseguir se sentar, nem mesmo a de America, que é por quem o livro é narrado. Talvez esse seja o tempero que Kiera escolheu para prender o público… E realmente está funcionando comigo.

 

Entre as citações que mais gostei estão:

“- Só acho que formaríamos um bom “nós”.
Ele abriu um sorriso,
– Formaríamos um “nós” maravilhoso.”

“- Como é amar? – perguntou May.
Parte de mim ficou magoada. Por que ela nunca tinha me perguntado isso? Depois, me lembrei: para May, eu nunca tinha amado.
Lucy abriu um sorriso triste.
– É a coisa mais maravilhosa e terrível que pode acontecer com você – afirmou com simplicidade – Você sabe que encontrou algo incrível e quer levá-lo para sempre consigo. E um segundo depois de ter aquilo, você fica com medo de perder.
Deixei escapar um suspiro. Ela estava completamente certa.
O amor é um medo belo.”

“E lá estava ela, apesar de todas as preocupações: A esperança.”

 

O preço desse livro varia entre R$ 17,00 e R$ 36,00 e pode ser encontrado em todas as lojas do meio.

Agora vou embarcar para o próximo.

Logo, logo estou de volta.

Bjão! :*

Categorias: Livros | Tags: , , , , | Deixe um comentário

Resenha: A Seleção – Kiera Cass – Editora Seguinte

Olá, pessoas!

Fico mil anos para aparecer, mas apareço. Demora, mas apareço.
Nesse tempo sem aparecer li muitos livros e vou (tá lendo isso, Ariane?! Você vai mesmo porque agora está publicado em âmbito global!!!!) postar meus pareceres aqui.

Hoje venho falar sobre um livro que praticamente acabei ler: A Seleção da autora Kiera Cass, publicado pela Seguinte.
Confesso que estava com um pé atrás para ler esse livro por dois motivos.
1 – Pré-julguei ele como infantilizado; o que me envergonho em dizer.
2 – No fundo tinha medo de me viciar… E viciou.

Desabafo da blogueira:

Continuando…

America Singer (quero deixar marcado aqui que gostei muito do sobrenome!) de 17 anos pertence casta Cinco, reservada aos músicos e artistas em geral,  não sonha com coisas magistrais. Filha do meio de 5 irmãos e a mais velha que continua sob o teto dos pais, ajuda-os a cuidar dos 2 irmãos mais novos, além de cantar e tocar com a mãe em eventos que castas superiores as contratam. Mas a garota tem os seus segredos: Um namoro escondido com Aspen, um ajudante de casta Seis, inferior a dela. Isso para sua mãe é algo que não cabe, pois sonha que a filha passe no processo d’A Seleção ou se case com alguém de casta Dois ou Três, no mínimo. Alpinista né, amores!

Um dia, America recebe a tão sonhada carta (para sua mãe, claro!) que dizia que ela estava em idade para participar da Seleção que escolherá a nova princesa de Illéa. A garota bate o pé para não preencher a inscrição, mas é convencida pelo – então – namorado, que deseja que sua amada tenha uma vida melhor.

Adiantando um pouco a história (prefiro omitir algumas coisas para não dar tanto spoiler) a garota fora mesmo selecionada. Com o coração partido e o medo do desconhecido ela acaba percebendo que a vida no palácio não é totalmente um conto de fadas e que o amor pode chegar aos poucos, sem aviso prévio.

 

Selecionei, como sempre, alguns dos trechos que mais gostei:

“- Nossa, temos alguém especial aqui? – ele disse, como se fosse uma criança.
– E não somos todos especiais?”

“- Está tudo bem, minha querida – ele perguntou.
– Eu não sou sua querida.”

“O amor verdadeiro é geralmente o mais inconveniente”

“Depois de toda aquela história de querer uma alma gêmea, quem sabe ele não queira mesmo era um corpo sem alma?”

 

America me provou ser mais que uma menininha bonita selecionada para, quem sabe, ser a princesa. Ela tem valores, dúvidas, medos tão comuns quanto os nossos. A garota é verdadeira. E confesso que amei o “Eu não sou sua querida”.

Suas questões com o príncipe Maxon e Aspen são quase palpáveis e coerentes. Não é aquele tipo de historia na qual você consegue julgar e ler dizendo “Sua burra, fica com fulano!”, porque você realmente se sente como America: Não sabe qual decisão será a certa para o seu coração.

O valor do livro está entre R$ 17,00 e R$ 30,00. Como sempre digo aqui, vale a pena ficar alertas nas promoções que surgem!

Estou encantada e quero ler os outros livros. E vou postar minhas reações aqui para vocês!

Bjs! :*

 

Categorias: Livros | Tags: , , , , | Deixe um comentário

Resenha: O Que Eu Quero Pra Mim – Lycia Barros – Editora Arqueiro

o-que-eu-quero-pra-mim

Ois!

Demorei, mas, como diz a filosofa Shakira, estoy aquí!

tumblr_nexc07ufjx1tq4of6o1_500

Hoje venho com a resenha de um livro que gostei bastante: O Que Eu Quero Pra Mim da escritora carioca Lycia Barros, lançado pela editora Arqueiro.

Soube desse livro por um tweet da capa – pela qual me apaixonei assim que a vi – e fui buscar mais informações.

 

O livro conta a história de Alice, uma mulher forte, independente e ambiciosa, além de ser bem sucedida profissionalmente e na vida amorosa. Seu namorado, Casseano, é o sonho de qualquer mulher: Bonito, amoroso e que quer se casar para construírem uma família.

Mas, Alice não é qualquer mulher. É uma workaholic de mão transbordando, colocando seu trabalho a frente de tudo e todos. O namorado, cansado de ser jogado para escanteio, a coloca contra a parede e exige ter mais espaço em sua vida. Isso faz com que acabem discutindo e terminando.

 

Os dias passam e Alice percebe que o término está sendo mais difícil do que esperava. Sua vida profissional começa a desandar e sua sócia decide afastá-la para que coloque os pensamentos em ordem.

Sentindo que a vida está virando do avesso, Alice decide visitar uma amiga em Londres. O que não desconfiava era o quanto descobriria de si mesma e do que realmente importa em sua vida.

 

Tem alguns pontos bem humorados que te fazem pensar se Alice é mesmo tão rabugenta quanto parece. Você vai se  encantar por Prieto, ter raiva da Luana e ficar confusa com Eamon, além de ter conflitos com os pensamentos de Alice. Mas, se gosta de romances que te façam refletir sobre a vida, vai valer a pena ler cada parte!

 

Alguns trechos que me chamaram a atenção:

“Preciso fugir da pessoa que me tornei”

“É melhor ficar sozinho de verdade do que estar sozinho num relacionamento”

“Olhe mais para você. Descubra o que te valoriza, conheça seus pontos fortes”

“A grande maioria das pessoas não nasceu para viver sozinha, só que algumas demoram um pouco para descobrir isso”.

 

“O Que Eu Quero Pra Mim” é um livro que te faz refletir sobre como a personagem se sente, pelo que passou, mas também te permite refletir sobre sua própria vida e suas escolhas.

 

O preço varia entre R$ 20,00 e R$ 28,00. Mas fiquem ligados nas promoções!

Até mais! Bjos! ;*

Categorias: Livros | Tags: , , , , , , | Deixe um comentário

Reflexão: Sinceramente, a gente mente

gatinho-com-vergonha

Hey, pessoas! Tudo bem? Espero que sim.

Há dias venho pensando e repensando no que escrever aqui (até a próxima resenha de livro ficar pronta) e nada me parecia bom ou legal ou que eu conseguisse escrever com sinceridade sobre o assunto. E então, hoje de manhã me veio esse tema depois de assistir a um programa de TV: Mentira.

Você já mentiu? Você já foi honesto? 

Não, não precisa me dizer, apenas reflita sobre isso.
É complicado falar sobre mentira e honestidade, porque os dois parecem estar em uma corda bamba.
Buscamos a sinceridade em todas as relações, mas sabemos recebê-la? Saberíamos lidar com uma pessoa  extremamente sincera todos os dias?

Pensei sobre isso e percebi que nem toda sinceridade é boa como nem toda mentira é ruim.
Quando era criança (e, como sabemos, crianças são muito sinceras) muitas vezes vi pessoas do meu convívio as quais não achava bonita, roupas ridículas que algumas vestiam e etc. Comentava sobre isso com minha mãe e ela me dizia para elogiá-las. Quando a questionava que isso era mentir, ela dizia que era uma “mentira piedosa”, que não faria mal a ninguém. E percebo que ela sempre teve razão.

Nós não estamos preparados para sermos decepcionados, não nos preparamos para ouvirmos o que não queremos ouvir. E certas mentiras não são condenáveis. Como ouvi um psicólogo falando hoje no programa de TV .

“Você não vai dizer a uma pessoa que está em uma doença terminal que ela vai morrer. Você vai dizer coisas sobre sua melhora. Esse tipo de mentira não é condenável.”.

Há 2 tipos de mentira: A que você diz para prejudicar e a que você diz para agradar alguém.
Ninguém é sincero o tempo todo; e nem mentiroso. Mas devemos saber até que ponto essa mentira pode prejudicar ou magoar as pessoas que amamos e a nós mesmos. Todos nós somos um pouco dos dois; o que devemos ter cautela em não exagerar. Pois tudo que é demais, faz mal.

Bjs :*

Categorias: Reflexões | Tags: , , | Deixe um comentário

Resenha: Sem Pudor – Julianna Costa – Editora Universo dos Livros

sem-pudor-capa

Má oeee!

Demorei, mas voltei! \o/
Desculpem a falta de disciplina por não postar há um tempinho. Me enrolei com algumas coisas pessoais, mas agora quero colocar nos eixos. Não sei se isso vem dos confins da astrologia, mas tudo bem. Como diz o filósofo Chico Pinheiro


chico-pinheiro-copiar

Hoje vim falar de um livro que terminei de ler no domingo e fiquei feliz e triste ao terminar. Feliz porque a história é ótima (como tudo que eu li até agora da autora, de quem sou fã assumida!). E triste porque me afeiçoei aos personagens. 😥 Sem Pudor de Julianna Costa, também lançado pela Universo dos Livros. (Isso mesmo! Agarrem essa mulher e não a deixem mais longe das livrarias, por favor!).

Preciso babar um pouco para dizer que a conheci na Bienal do Livro de São Paulo desse ano! ❤ Muito gentil, simpática e atenciosa, atendeu a todos que estavam na fila e autografou meus livros! *—* Nem pirei, imaginem!!!

img-20160830-wa0040

Amei essa foto! Eu estou horrível, mas amei mesmo assim kkk ❤

 

img-20160830-wa0042

Ok. Vou voltar ao foco, prometo!

Já contei aqui sobre o primeiro livro da duologia, Sem Vergonha. Caso você não tenha lido ainda, recomendo demais! Vale muito a pena para aqueles que, como eu, gostam de um New Adult muito bem contado.
No segundo e último livro, Mina Bault e Ryker Strome pensam já ter “colocado o carro para andar”, cada um no seu cantinho… Deprimidos, com saudade, nos fazendo ter saudade com eles… Maaaassss, eis que Ryker recebe uma ligação sinistra e deduz que Mina ainda está sob a mira da Máfia Russa. Por isso decide ir atrás de sua amada em Paris. OUMMM! Que romântico, né?! Só que era uma cilada, Bino!

omg

 

E isso faz com que os dois voltem a ser alvos fáceis dos russos.
Sem escapatória, o casal e seu escudeiro/cão de guarda agente Zahner voltam para Amsterdam; precisamente voltam a boate Lucky’s. Com isso, a boate volta à vida e ganha um tremendo show da Tímida… Com direito a muita sedução e sexo no palco!

lulu_chocado

                               Sim, Lulu! Segura essa marimba, meu filho!

 

Precisando de ajuda para conseguirem sair dessa, Ryker recorre a sua irmã, Lexa Strome, e seu amigo/futuro-ex-cunhado Sven Delvak (Que tem S de Sedutor e D de Delícia!). Com eles mais a ajuda dos amigos da Lucky’s, começam a desenvolver um plano delicado e nada fácil envolvendo assassinato, roubo, jogos de sedução, política e interesse.
Olha que cenário!
E muitos por aí ainda acham que New Adult é um gênero que só mostra sexo e não tem conteúdo! Como são bobos!

tumblr_inline_n89h9otdcc1snlc0b

O preço de Sem Pudor está variando de R$ 22,00 a R$ 30,oo. Mas fique de olho nas promoções!
É isso! 😀
Beijos. Até mais! ❤

Categorias: Livros | Tags: , , , , , | Deixe um comentário

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Clube do E-book

Obrigado pela Preferência. Nada de conversinhas ou besteiras, somente e-books.

Ler ebooks

A leitura em ecrã

Cadernos de Dança

Estudos e dicas sobre dança do ventre

Blog Mulherão

O manual de sobrevivência para mulheres acima do peso

Pigmento F

Beleza, Moda, Decor e muito mais!

Garota Blue Jeans

Beleza & Cia

Sapatilha de cristal

O mundo feminino em um clique.

Dave's blog

unique content from around the web

Vidicula

Coletânea das maiores bobagens da internet

Não se Atreva

Não se Atreva. Blog criado em 2011 com intuito de bater um papo com o leitor sobre diversos assuntos, tais como moda, beleza, viagem e lifestyle.

Palavras de Marceli

Palavras de Marceli

Favoritos

Os sites e links mais legais da web.

Blog do Paulinho

- Jornalismo com Credibilidade -

Céu de Jornal

Publicar um texto é um jeito educado de dizer "me empresta seu peito porque a dor não tá cabendo só no meu''.

AllucinaçãO

allucinacao@WordPress.com

The BR Espectador

O Espectador Brasileiro.